domingo, maio 24, 2009

Estacionamento de Paralímpicos

Hoje resolvi ir almoçar com uns amigos a uma cervejaria porreirinha ali no outlet do Sócrates (para os que não lêem os jornais, Freeport). Quando cheguei observei uma vez mais com curiosidade uma característica que considero "sui generis" naquilo que de invulgar se pode encontrar num parque de estacionamento. Este deve ser o único parque do país que descobriu uma forma de lidar com os chico-espertos que estacionam nos lugares das grávidas e deficientes: colocou uma cancela que só se abre com a respectiva chave. Comecei então a imaginar o cenário. Para apresentar a minha teoria, vamos assumir uma pessoa com uma deficiência mais ou menos comum, como andar de cadeira de rodas (chamemos sujeito D). O sujeito D vem no seu automóvel adaptado até ao Freeport. Chega junto do estacionamento que lhe é reservado, e depara-se com uma cancela acompanhada de um sinal informativo (ver imagem). O sujeito D deixa o seu veículo estacionado na faixa de rodagem, sai do veículo (com toda a dificuldade que isso implica para uma pessoa em cadeira de rodas), e dirige-se ao ponto indicado para a recolha da chave da cancela (que fica a cerca de 500 metros do local do estacionamento). Após a entrega da chave, o sujeito D regressa ao ponto inicial, introduzindo a chave na cancela. Provavelmente solicitará a ajuda de terceiros para... levantar a pesada cancela metálica. Uma vez levantada a cancela, o sujeito D volta a entrar no seu veículo adaptado (com o inerente esforço) e procede finalmente ao estacionamento. Finalmente poderá dirigir-se ao recinto do outlet. Nem sequer vou pensar na parte do regresso. De qualquer forma, julgo que provavelmente quem pensou nestas questões de usabilidade para portadores de deficiência física, provavelmente era ele próprio portador de deficiência... mental.

4 comentários:

Luis Sardinha disse...

No pais do Alberto João Jardim foram um pouco mais inteligentes. Puseram as cancelas e um intercomunicador para contactar com a segurança de levanta a cancela remotamente. Mas como que tiveram que pagar milhões a corromper tudo e mais alguma coisa depois não tinham dinheiro para essas modernices...

Eli disse...

Essa é nova para mim!

Realmente!

Aqui (no norte) nunca vi isso! Espero que nao se propague.

Nunca estacionei nesses lugares reservados e acho que em estaciona é que devia ser punido e não o sujeito D a ser castigado e a ter ainda mais dificuldades!!!

Marco disse...

luis: como diz um colega meu... no money no love...

eli: era partir-lhes as pernas a todos para terem razões para poder estacionar!

Marco disse...

E não é que ao fim de vários anos, tiraram o raio das geringonças? Será que este meu blog tem o mesmo tipo de audiência que o "nós por cá" da SIC?