quarta-feira, julho 30, 2008

De Puta Madre

Foi este o nome de baptismo da "família", integrado na qual viajei até à ilha de Saona, na República Dominicana. Até agora ainda não consegui esquecer as águas quentes e cristalinas das piscinas naturais onde nadei e brinquei com as estrelas do mar. Este foi apenas um dos dias que passei nas caraíbas, onde o ar é quente e húmido e o mar é azul turquesa. O jacuzzi dentro do quarto e as palmeiras junto à praia deixaram de fazer parte de um postal ou de uma imagem longínqua e tornaram-se realidade. Se a realidade nem sempre é nossa amiga, este tipo específico de realidade sabe sempre (e faz-nos sempre) bem, porque nos ajuda a perceber que nem tudo aquilo que numa determinada fase da nossa vida pensamos ser inalcançável, tem efectivamente de o ser. Confesso que não fazia grande questão de embarcar nesta viagem a Punta Cana, concretamente. Parecia-me um destino um pouco "batido" e até talvez desprovido de grande interesse. No entanto a ocasião pedia mesmo por umas daquelas férias "à sombra da bananeira" (neste caso palmeira)... a beber daiquiris, margueritas e coisas do género na praia... e resultou. Volto assim revigorado e com aquela cor do mar gravada na minha mente. Não foi a melhor das (poucas) viagens que fiz até hoje, mas está sem dúvida no top. Ah, já agora, a fotografia é de lá...

3 comentários:

Eli disse...

Eeeeeeeeeeeena ;)

Eli disse...

E não vou perguntar "o que é feito de ti", porque está dito aqui explicitamente!!!

lol

:P

Kabe Ludo disse...

Been there, done that, want to return ASAP!!!

Aposto que também estiveste sentado nas mesas corridas em madeira com uns caramelos a tentar vender cocos a 5 dólares...enquanto comias a bela da grelhada mista regada com sangria vitaminada a rum ou mamajuana del amor :P

Não experimentaste a excursão dos Bucañeros? A vista debaixo d'agua é melhor (vá....fifty fifty) que a de vista ao de cima!