quarta-feira, janeiro 24, 2007

Síncopes e Improviso

Quando era miúdo (para aí há dois meses atrás...) tinha a mania de ser relativamente radical em relação a alguns gostos que julgava ter, em diferentes áreas. Julgo que acontece com todos nós. Temos a mania que a cerveja não presta. Temos a mania que os charutos têm um odor desagradável. Não acreditamos que é possível "aprender a gostar". Tal como a cerveja e os charutos, muitas outras coisas se enquadram no "aprender a gostar". No âmbito da música já redescobri várias vezes essa mesma sensação. Aprendi de há uns dois ou três anos para cá, que afinal o Jazz tem mais piada do que eu julgava. Julgo que este "gostar" não dependeu só de mim, mas da própria evolução do estilo musical em questão. De qualquer forma e fosse porque motivo fosse, fui arrastado pelas síncopes e improvisos que tão bem (quanto a mim que não sou nenhum conhecedor) caracterizam o Jazz. Tive contactos que foram muito bons. Miles Davis está no topo da lista. Comecei por uns CDs/colectâneas com duas ou três músicas de que gostei muito... fui aprofundando um pouco... neste momento já sou menino para procurar coisas muito específicas. O meu objectivo actual: "descobrir" John Coltrane, que ainda é de alguma forma uma incógnita para mim. O pouco que conheço é suficiente para despertar curiosidade. Para quem quiser partilhar a descoberta deste gosto, na minha humilde opinião, sugiro o seguinte percurso: começar pelo mais actual, como Diana Krall, Jamie Cullum, e porque não os nacionais Mafalda Sachetti (para mim espectacular, mas como estamos em Portugal, descobrir um CD é uma aventura...), Maria João e Mário Laginha, num percurso retrospectivo até chegar aos nomes referidos inicialmente, entre outros como Ella Fitzgerald e Duke Ellington. Prometo que ninguém se vai arrepender!

9 comentários:

Belzebu disse...

Percorri esses caminhos e nunca mais fui capaz de os abandonar! Apesar de tudo, continuo fiel ao rock e ao blues. Mas o mais importante, é haver abertura a novos formatos musicais e entender que todos eles, fazem sentido, desde que haja disposição!

Saudações infernais!

Luis Sardinha disse...

Já eu é mais Stomp...

Acabei de os ver e vale claramente ver este espectaculo :)

Relativamente ao Jazz, ainda não sou menino para ir a procura de albuns de jazz mas ouve-se mto bem...

Gonçalo disse...

...não corro atrás do jazz a minha perferência é o punk rock, mas aprecio muito a sonoridade e a capacidade de improviso instrumental, isto porque já toquei trompete(o instrumento da imagem deste post) e também toquei musicas do género, melhor aproximado do género, pois jazz não é para qualquer menino....

Kabe Ludo disse...

Eu é mais Tony Carreira nos 20m de barco que faço todos os dias para Lisboa...será que posso pedir (das duas...uma!) uma indemnização por danos morais ou que à entrada do barco coloquem um marinheiro com um bloco a apontar os 'discos pedidos'...

PS Tarda nada tá ai uma gaija nossa conhecida a dizer bem do Jaime Cullum...tou cá com um feeling.


Haja juízo!

Mary Xu disse...

Como adivinhaste Mr.Kabe Ludo que eu vinha cá falar do Jamie?
Foi graças a ele que me "iniciei" no Jazz. Nunca pensei gostar tanto desse estilo de musica.
A ultima que descobri foi Amy Winehouse. Aconselho, acho que vais gostar do estilo dela.

Kabe Ludo disse...

Sim, boa sugestão, no entanto não se assustem com a fronha da miúda, é um pouco parecida com este gajo aqui :P

Vida Envolvida disse...

Antes de mais, amigo Marco, obrigado pelo carinho deixado no meu blog.

Em relação ao teu post, eu sou do tipo cameleão na música, tendo sonorirade e envolvencia...absorvo!
Se bem que tambem sou do tipo que a letra da musica tem que me dizer algo, e como ainda não consegui perceber o que a Maria João "diz", talvez não tenha absorvido muito o jazz!

Bom Fim de semana !

Bjs

Susana P.

Dani disse...

Jazz também faz parte dos meus gostos. Não sou conhecedor o suficiente para distinguir este daquele, mas sabe-me bem ouvir. Era o que se passava com a extinta Voxx, em que não conhecia 95,7% dos grupos que por lá passavam, mas era a minha preferida.
Para o próximo jantar já sabes: embora os brazucas fossem fixes, podes por um jazz a rodar! :)

jomaolme disse...

Luís sardinha, eu estou ansiosamente á espera que os stomp venham p o porto p ir ver. Acho q só em Março. Mas o meu bilhete já está comprado!

Respondendo ao post, adoro música. Do fado ao rock. Metal já não vai muito á minha "missa". Mas dependendo do estado de espirito, vario de dia para dia o estilo musical.

Bom fim de semana