sexta-feira, março 31, 2006

Irão, Quer Levar um Estalo?

A guerra nuclear é um "medo" geral, cujas origens remontam a estudos, filmes, livros e afins que retratam cenários cataclísmicos, e que inicialmente se limitavam à esfera do velho conflito entre os Estados Unidos e a Rússia. Actualmente não é assim, e temos países de dimensão bem mais pequena - excepto em questões de fanatismo - a fazer braço de ferro com o mundo inteiro. É o caso do Irão, sobre o qual ainda não tinha escrito nada, mas que pela recorrência do assunto nos meios de comunicação, tem a capacidade de aborrecer qualquer um. Mais ainda do que a posição irritante do Irão quanto à paragem do processo de enriquecimento do urânio, é a posição do resto do mundo. É bem sabido que não se pode confiar nos EUA para resolver um problema deste género, pois quando optarem por intervir começa realmente a catástrofe. No entanto pode-se sempre confiar que os EUA são os EUA, e pelo menos sabemos com o que contamos. A ONU já é outro caso diferente. Têm a capacidade de burocratizar democraticamente de forma entediante qualquer situação, arrastando negociações durante um tempo inaceitável e sem quaisquer resultados produtivos. É o caso. No meio disto tudo ainda têm tempo para nos fazer rir um bocadinho, quando definem "deadlines" (uns após outros, o que os vai automaticamente invalidando) para que se cumpra uma determinada "imposição". Última do dia: "ONU dá 30 dias ao Irão para terminar o enriquecimento do urânio", ao que faltou no final um veemente "senão... leva tau tau", ao que o Irão responde "ui qui medo". O mais engraçado é a quantidade de reuniões e debates realizados até ao momento em que participam todos os países e mais alguns... excepto o Irão. Enfim, como diz um amigo meu com certas e determinadas particularidades capilares, "Haja juízo"!

6 comentários:

Dani disse...

Atenção Irão, ou param o enriquecimento de Urânio em 30 dias, ou nós establecemos um prazo de 30 dias para que parem com o enriquecimento de Urânio. Redundante.

Marco disse...

... ao que o Irão responde: se não param de estabelecer prazos de 30 dias, dentro de 30 dias, estabelecemos um prazo de 30 dias para pararem...

Kabe Ludo disse...

Gruunf...
Eu dou-vos a redundância e as particularidades capilares...

Nada me ocorre comentar sobre este post, porque se eu não ver/ler/ouvir nada sobre este assunto (e é muito fácil visto numa semana dita de trabalho passo 40h em casa, 35 das quais a dormir!!!) é porque não existe!

E havera maior alegria que a de um ignorante?

Haja juizo (Irão, dani e marc(ã)o)

Luis Sardinha disse...

Faz-me alguma confusão é que o maior exportador de petróleo do mundo quer enriquecer uranio para fazer uma central nuclear (que tem autorização para isso). Mas para k? não tem petroleo suficiente para gerar eletricidade. É de desconfiar...

O grande problema é que se a ONU coloca sanções ao Irão, o Irão fecha a torneira e rápidamente começamos a comprar gasolina a 5€ o litro...

Como o irão é muito mais poderoso do que o Iraque, atacar o Irão é muito mais arriscado (se fizeram a merda que fizeram no Iraque, no Irão as coisas irião correr muito mal para os lados do Tio Sam)

Com este cenário, ou a ONU diz: "Ok, torna-te lá um pais de religiosos (por vezes fanáticos) com armas nucleares" ou passa a vida a fazer últimatos que não pode cumprir!

O grande problema é que o Irão sabe disse e está a aproveitar-se.

Li à uns tempos um livro de ficção cientifica que dizia que o médio oriente estava deserto devido às bombas nucleares. Começo a temer que esse futuro esteja próximo.

O futuro alternativo é começar-mos a aprender a viver sem petróleo ou com petróleo a 200$ o barril...

Anónimo disse...

É bom que se faça humor sobre as coisas mais sérias... é uma forma de as desdramatizar, desde que haja a consciência que elas são efectivamente sérias.
Se tiverem oportunidade leiam um livro intitulado "O GRUPO DE BILDERBERG"; talvez dê para perceber muitos dos acontecimentos contemporâneos (outros nem tanto, onde se fala de Vietname, Iraque, Nixon, Bush, Blair, and so on,so on...
É ali referido que à actual velocidade de consumo de energia, o petróleo que se saiba existir, chegará para 20 anos... e é referido que a tecnologia do hidrogénio não é viável, portanto...
A partir da leitura daquele livro, escrito apesar de tudo, quanto a mim, segundo uma técnica de vendas, que é "martelar" repetidas vezes na mesma afirmação, surge uma nova capacidade de detectar segundos sentidos, nas notícias que se leem ou se ouvem... Curiosamente esses segundos sentidos não são nada tranquilizadores.
E a sensação que eu tenho, é que os nossos governantes, com o Socras (como vocês dizem),à cabeça, são muito bons executantes das determinações dos "senhores do mundo" e transformam-nos em cobaias, vidé p.e. o cartão único do cidadão... Sob a aparente capa (benéfico) da redução da burocracia, vamos tendo os nossos dados pessoais, cada vez mais concentrados numa só base de dados, passível de ser manipulada, vendida ou apagada de acordo com possíveis interesses a bem da global nação mundial... Atenção ao chip de localização e identificação, benéfico se vos roubarem o carro, raptarem o filho ou até se o vosso cão fugir (ou for abandonado), mas que também permitirá substituir a pulseira electrónica da prisão domiciliária, ou que em caso de perseguição por qualquer motivo permitirá saber a quem possa interessar a localização do perseguido. Ficção? Apenas HUMOR!!!

daredevil disse...

Fico muito mais descansado por saber que os nossos dados não são, actualmente, passíveis de ser manipulados, vendidos ou apagados de acordo com possíveis interesses a bem da global nação mundial... Abaixo as bases de dados!!! A Sandra Bullock pode ficar...