quinta-feira, fevereiro 16, 2006

O Que Existe...

Nos últimos tempos tenho-me obrigado a não escrever sobre os vários assuntos da actualidade, no âmbito daquilo que vai mal no nosso país (ou seja, ando a conter a minha fúria - ver "Um Dia de Raiva" com Michael Douglas). Como tal, para também não atingir o limiar da loucura, resolvi escrever sobre algo de diferente, mas de tanta ou mais importância que os referidos assuntos. Assim, o tema de hoje é: "o que existe na mala de uma mulher". Os elementos masculinos dos casais, que possam estar a ler este humilde blog, certamente sabem do que estou a falar e reconhecem a devida importância ao assunto. É que este tema é de alguma forma um paradigma para a "carola" de qualquer um, e muitas vezes nem tão pouco pode ser abordado, quase como se fosse "tabu"! Tenho de reconhecer claramente que a mala consiste numa necessidade fundamental para as mulheres, devido à panóplia de artefactos que estas transportam diariamente, nem que seja para ir levar o saco do lixo à rua (este é um mau exemplo, porque tradicionalmente é coisa de "gajo"). Mas a relevância de transportar tais artefactos, essa sim, deixa-me um pouco apreensivo. Por exemplo, eu tenho um porta-chaves de reduzidas dimensões onde transporto as 3 chaves (prédio + correio + casa) e ainda a chave do carro, que já por ter maior dimensão está desprovida de porta-chaves. As mulheres nunca fariam algo assim. Para além de transportarem permanentemente outros conjuntos de chaves totalmente dispensáveis (casa dos pais, casa da(s) amiga(s) e outras mais, incluinda algumas que se desconhece o que abrem), transportariam as referidas chaves agregadas a porta-chaves do género "urso de peluche", sendo que cada chave teria o seu... Estamos a falar obviamente de um volume considerável, mas então e aquelas que têm 2 porta-chaves por chave? Justificação: "é para as identificar dentro da mala..." (sem comentários). Depois existe a problemática das carteiras. Assume-se automaticamente uma dimensão superior à carteira de um homem (que geralmente cabe no bolso de trás das calças), mas para além disso, existe a mesma necessidade de transportar dentro dela artefactos igualmente inúteis, como talões de compras do ano anterior, bilhetes de estacionamento, listas de supermercado, etc. O resultado frequente é a carteira não fechar, mas tudo bem! Uma vez que a carteira é transportada dentro da mala, se cair alguma coisa não se perde. E depois, como tudo o que possa cair da carteira é, de qualquer forma, inútil, também não se vai sentir a falta. A juntar a estes os restantes artefactos como produtos de estética (sempre no plural, claro), 2/3 maços de lenços de papel, o telemóvel (que nunca se ouve porque está a "sufocar" dentro da mala) embutido numa bolsa também com formato de urso de peluche, mas de dimensões superiores aos porta-chaves (para se distinguir)... enfim, poderia continuar durante horas a descrição deste rol, mas não vale a pena. Aqui fica o meu conselho aos meus leitores masculinos: esqueçam! Não existe nada que possam fazer. Além de não ser possível convencer o sexo oposto, muitas vezes ainda é necessário dar o braço a torcer, naquela esporádica ocasião em que elas transportam a nossa carteira ou qualquer outro item (singular, claro) que por qualquer motivo (calças sem bolsos, um braço partido, uma mão engessada...) não nos dá jeito transportar... Enfim, ninguém disse que a vida de casal seria fácil...

6 comentários:

Sofia disse...

Pois... nunca mais te deixo ver a minha mala!
E eu pelo menos tenho sempre as chaves todas que preciso, não ando sempre a tocar à campainha!:)
Isso é só inveja por sermos tão prevenidas e termos sempre o que faz falta(às vezes tb o q não faz!)para determinadas situações!

Kabe Ludo disse...

Não sendo malas de senhoras a minha área de expertise, e não querendo arriscar a levar na cabeça quando a minha 'gaija' ler isto, concordo plenamente (ainda está para vir o dia em que o blogger escreve algo do meu desagrado) com o que foi escrito, acontece muitas das vezes a 'gaija' dizer: "Vai à minha mala e traz aquele bloco de apontamentos e a caneta azul de ponta fina..."
Ao que respondo: "Vou tentar" e penso "Nunca na vida vou achar nas 10 primeiras tentativas!"

Na primeira vez que aconteceu, ao fim de 11 tentativas tive a brilhante (ou não) ideia de verter o conteúdo da mala para cima do sofá...ai Jazus....deu-se o carmo e a trindade...jurei para nunca mais: "O QUE È QUE ESTÀS A FAZER????? ASSIM DESORGANIZAS TUDO! LARGA JÀ ISSO"

Depois de encolher o rabinho entre as pernas, soltar 2 'ain ain' fui-me embora...

Hoje em dia tudo é diferente, quando é preciso ir buscar o bloco de apontamentos e a caneta azul de ponta fina...pego simplesmente na mala e o que a ela estiver agarrado (guarda-chuva, cachecol...) e levo, qual cachorro bem ensinado!

Haja juizo....

daredevil disse...

Pois... É de facto uma temática bastante complexa... Acho que vou dedicar um blog inteiro subordinado a este tema em exclusivo...

Sónia disse...

E no outro dia, vi uma mala muito gira, que tinha uma coisa que nos faz muita falta... uma luzinha no interior! Fantástico!

Dani disse...

Giro, giro, é quando nós dizemos que a mala está pesadíssima, e elas respondem que é por causa da nossa carteira estar lá dentro! Claro que os outros 756 objectos e meio que lá estão, não têm qualquer influência no peso. Ele é todo da nossa singela carteira!

Helena disse...

Pois, mas há mil e uma coisas que podem a qualquer altura fazer falta...como um tampão, um penso (mas se é penso higiénico temos que ter um dos fininhos, um com alas e pelo menos mais um dos normais), também o carregador do tlm, ocúlos (nem que seja só a caixa vazia) . O que é certo é que tudo o que lá está faz falta, nem que seja só uma vez (aquando da sua introduçaõ na dita mala).
Mas não percebo o porque de tanto espanto, uma vez que a carteira dos gajos (que dizes caber no bolso das calças), também tem lá muita diversidade de cenas... queres uns exemplos? olha... o bilhete do SLB com um campeao europeu qualquer de há seculos, preservativos, o nome de um restaurante que acha infalível, e o mais caricato que já vi, as instruções da mama de como por a roupa na maquina.
eh eh eh
Helena