quinta-feira, fevereiro 10, 2011

Ser Transparente...

É-me hoje completamente inevitável falar na velhinha que foi encontrada morta na sua casa, 9 anos após ter falecido. É difícil e triste imaginar a solidão que alguém pode experimentar, ao ponto de durante 9 anos ninguém fazer nada de muito concreto para ter notícias ou saber dessa pessoa. É inacreditável que conhecidos e família pouco tenham feito (apesar das relatadas tentativas de envolver a GNR, PSP e PJ) para efectivamente descobrir o que teria sido feito da senhora. Muitas vezes desejamos ter isto e aquilo, ou fazer isto e aquilo na nossa vida. Acho que neste momento só posso desejar não viver nem sentir a solidão que esta senhora terá sentido enquanto ainda estava entre nós. Adicionalmente e como sempre, a intervenção do estado, por mais macabra ou dramática que seja a situação, tem sempre o seu quê de ridículo. Isto porque o facto de a senhora ter deixado de levantar os cheques da sua reforma, não foi motivo de suspeita. Por outro lado o facto de a sua casa ter sido penhorada pelas finanças devido a dívidas acumuladas, foi o que finalmente permitiu que a senhora fosse encontrada, quando a sua casa foi arrombada já na presença da nova proprietária. Não me considero muito supersticioso ou crente, mas imaginar a solidão e infelicidade que já teria habitado aquela casa, rapidamente desistiria da ideia de por lá morar...

4 comentários:

Luis Sardinha disse...

Eu sempre fui uma pessoa que preciso de estar acompanhado para me sentir bem, tentando-me colocar na pele desta pessoa sinto uma tristeza imensa.
Não podemos certamente fazer nada para mudar o mundo, podemos apenas fazer com que no nosso mundinho isto não aconteça.
E sim, acho que também não ia conseguir viver lá muito tempo...

Eu Mesma! disse...

O que eu aqui achei inacreditável foi em 9 anos ninguém... mas ninguém... ter notado o desaparecimento de uma pessoa... a ausência...

não sei se é triste... se é desolador ... se aterrador pensar... que me pode acontecer o mesmo daqui a uns anos...

:(

ACCM disse...

E na verdade, segundo parece, já foram descobertas mais quatro situações semelhantes, ainda que, com menor distanciamento no tempo...
pai do Marco

Sunshine disse...

È das histórias de solidão mais tristes que algum dia ouvi falar... e quem me conhece sabe como isto aperta-e o coração. De qualquer forma não consigo deixar de olhar para este tema de outra perspectiva.

Conheço uma pessoa que é hermita por escolha, que tem dificuldades em fazer e manter amigos e preza muito o seu espaço...
há anos vive numa solidão que o consome como também consome as pessoas que gostam dele...

Perdoa-me e permite-me outra perspectiva mas...
A solidão nem sempre é castigo da vida e da falta de consideração dos outros... a solidão por vezes é aquilo a qual nos condonamos por escolha própria.

Não sei o que a vida me espera, não sei se na minha velhice hei-de ter familiares ou os mesmos amigos à minha volta para se preocuparem-me comigo... Se não forem antes de mim, quase de certeza que hei-de os ter.
Mas que não hei-de estar sozinha porque há de sempre existir um amigo há procura de outro...