quinta-feira, outubro 01, 2009

Eleições e Confusões

Foi sem grande surpresa que, apesar de ter votado no domingo passado (como diria o Santana Lopes) com "sacrifício pessoal", recebi mais tarde o resultado das eleições. A única coisa que me ocorre dizer em relação a esse resultado e às reacções que vi e ouvi a nível nacional é que o nosso Fidel da Madeira cada vez parece menos "burgesso" em relação à concorrência (... e mais não digo). Posto isto e considerando que cada um tem aquilo que merece, deu-se início à novela seguinte. Confesso que sempre esperei que, com o grau interventivo que o nosso PR tem, após adiar as suas declarações para o período pós-eleitoral, adiasse novamente para o período pós-autárquicas, e por aí fora sucessivamente até toda a gente se esquecer do assunto. Ao invés, optou mesmo por falar e, verdade seja dita, da forma mais desastrosa possível (fez-me lembrar a figura de um elefante numa loja de cristais). Resumindo e concluíndo, parece que o nosso PR, por uma questão de idoneidade, prefere que o povo eleja um partido para o governo, no qual ele próprio não confia, e com o qual pretende levar a cabo uma guerra declarada, logo no início da legislatura. Parece-me bem, e tal como diz no seu discurso, parece-me que defende o "superior interesse dos portugueses". Tirando esta informação, em termos úteis, a única coisa que aprendi com este discurso foi que o gabinete da presidência não sabe utilizar o e-mail, por isso aproveito para deixar aqui uma recomendação a toda a malta do "staff" do Aníbal.

3 comentários:

Sunshine disse...

Existe algum livro titulado "politica para totós"? E que tal "ser um politico honesto"? Esses é que eram bons livros para oferecer a cada partido!
Confesso que acabei por votar num partido por qual não me identifico porque não confio nos representantes dos outros. Qual deles mereciam ganhar? Merecer, merecer - não merece nenhum!

Luis Sardinha disse...

Se ele estava a ser vigiado ou não não sei, se calhar é mesmo falta de capacidade em utilizar o email...
Mas acho que o PR foi preso por ter cão e preso por não ter. Não tenho a mínima dúvida de que foi o PS a "ventilar" aquele email com 17 meses!
Se o PR o tivesse feito antes das eleições iam dizer que estava a atacar o PS e por isso a tomar partido do PSD. Não o fez porque, segundo ele, era isso que o PS queria. Esperou pelo final das eleições e é "preso" porque não disse antes e deixou os eleitores votarem no PS na sua ignorância.

Marco disse...

sunshine: o problema por cá é que as pessoas em geral pensam que estão a votar para eleger um primeiro ministro, o que não é o caso. Estamos a eleger um conjunto de representantes, não só para o governo mas também para a assembleia da república, o que é uma grande diferença...

luis: a meu ver não deveria ter feito uma coisa nem a outra, e com outro tipo de discurso, responderia na mesma moeda aos que o colocaram nesta situação. Penso que para alguém ser presidente de alguma coisa, deveria ser necessário um mínimo de inteligência para o cargo.